quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Seu passado a espera


Pois bem, pessoas... meu amigo Luiz Rodolpho é meu "guardião de memórias"... estudamos juntos na escola, e ele lembra de tantos detalhes que fico chocada... acho que essa minha memória seletiva vem por conta de tudo ter se passado numa época em que não havia escova progressiva, eu usava aparelho, enfim, ainda não trabalhei meu sentimento quanto aos meus momentos pré-adolescentes.



O fato é que o Facebook uniu minha turma de 8ªsérie num grupo, e mais do que rapidamente marcamos um jantarzinho básico... muito bom saber que pessoas que não vejo desde 1962 vão estar lá, e pelas nossas conversas virtuais parece que nossa intimidade será restaurada como se o tempo não tivesse feito nenhuma curvinha.





Minha grande lembrança desses amigos amados é a paixão por cinema, música e livros... imagino como seríamos nessa era de internet... porque íamos pra fila dos cinemas de Copacabana ansiosos a cada estréia, corríamos para a loja americana ou pra sears de botafogo atrás dos vinis e k7s com as trilhas sonoras, comprávamos o "livro que deu origem à série"... somos da época em que às terças feiras depois da novela das oito passava A Gata e o Rato, Magnum, Kate Mahoney, entre outras figuras que acompanhávamos atentos, comentando tudo o que vimos no dia seguinte.





Imagina todo nosso talento e dedicação numa era digital como a nossa?

Eu era nerd, gente, como eu era nerd...

Eu era drama queen, meu Deus, como eu era drama queen...

Certas coisas não mudam, ok.

           
Esse post é especialmente cheio de imagens porque é assim que me lembro dessa fase da minha vida: muitos personagens e histórias marcantes. Filmes que hoje passam no Telecine Cult, mostrando bem claramente que tô véia mesmo e daí.



Amo essas pessoas que vou reencontrar por terem montado uma vida cheia de imaginação, emoção e criatividade junto comigo. E pretendo chegar na restaurante toda trabalhada na Peggy Sue, tomar umas caipirinhas e desmaiar, acordando em 1986 na fila do Condor.

Beijos,

Maddie Hayes

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

A Viagem de Tiça



Quatro e meia da manhã, madrugada do dia 30 de agosto... enquanto durmo preparando o corpitcho para uma viagem a trabalho no dia seguinte, o celular toca.... minha irmã do outro lado:

-  Alô, Aninha, minha bolsa estourou...
- Sério?... (pausa para pensar no que responder)... putz, babou nossa bienal domingo!!!

Com esse diálogo super cheio de noção começou minha aventura na chegada de Gabriel. Fiquei acordada vendo TV enquanto minha irmã fazia uma ultrassonografia e descobria que não havia mais líquido na pança, e que meu sobrinho ia chegar com 36 semanas, prematuro, antes do chá de fralda, antes da bienal.

Quando soube que ela estava na Perinatal, corri pra lá, como irmã e enfermeira dedicada. Cheguei, dei um esporro porque ela não me ligou antes, ofereci meu estojo de maquiagem pra ela dar um up no visual antes de ir pro centro cirúrgico, e como sempre minhas idéias animadinhas em momento de crise foram descartadas.

Queria ser solidária, falar que não dói, que minha cesárea foi ótima, que o medo dela era infundado. Ouço palavras do anestesista, pediatra, obstetra... converso com a barriga, falo para Gabriel correr para a luz quando vir uma porta aberta na barriga da  mãe... conto piadas pra esconder o cagaço...

Lá vai minha irmã pro centro cirúrgico, e ficamos esperando: eu, Bernardo, Jane, Fernanda (a madrinha "oficial"), minha mãe, meu pai e Alice, minha sobrinha em seus últimos minutos como filha única.

O telefone toca: Gabriel nasceu! Saímos correndo pelo hospital em direção ao berçário. Tiro fotos de crianças aleatórias, com medo de perder algum lance importante dos primeiros momentos de vida de meu afilhado (já falei que sou madrinha de "consolação"? sou suplente da Fernanda, e Gabriel vai ter que trabalhar o sentimento de vergonha das madrinhas artísticas que ele tem).

Daqui a pouco chega meu cunhado, visivelmente nervoso e emocionado, e aí nossa família começa a gesticular, falar alto, tirar mil fotos... meu pai respira aliviado e vai tomar um café na lanchonete bem ao lado de nós, e enquanto pulamos diante do vidro do berçário acredito que ele deve ter aproveitado para comer uns bolinhos escondido. Minha mãe fica tensa porque não havia roupas organizadas e Gabriel poderia sair na foto da maternidade enrolado numa toalha de banho.

Voltamos pro quarto, e logo chega minha irmã, ainda se recuperando da anestesia. Logo ela toma um antialérgico e fica MUITOLOKA. Sério, foi divertidíssimo. Na hora em que colocamos Gabriel pra mamar ela disse para minha mãe: "a batata frita vem à parte"...

E Gabriel nisso tudo? Ele é a cara da Tianinha. Fofo, gostoso, esperto, chegou sapateando na cara dos padrões médicos e não parece um prematuro, mama como um louco, levanta a cabeça, é todo durinho.

Bernardo, meu filho, passou o dia no hospital, recebendo as visitas. Comeu o jantar do acompanhante e na hora em que chegou o jantar da minha irmã disse: "comida de novo?" Abraçou Gabriel, curtiu o primeiro cocô, saiu pra chamar a enfermeira quando minha irmã disse estar sentindo dor.

Minha irmã ficou ótima (apesar da dor e de achar que eu estava meio psicopata passando a mão na barriga dela toda hora) , viajandona, e quando a nutricionista veio fazer aquele questionário básico, respondia toda trabalhada na onda anestésica. Disse que tomava todos os sucos, que gostava de pão integral, e quando a moça perguntou se ela gostava de granola, ela abriu um sorriso bêbado e falou bem alto:

- Adoooooooooooooooooooro granooooola..........

Eis o novo bordão do momento!! Pena que ninguém gravou pra botar no Youtube!!

E Gabriel já tem o que colocar no crachá quando fizer encontro de adolescentes... no dia da montagem, o grande comentário vai ser:

- viu quem tá coordenando a Banda? o Granola!!!

Isso aí, Granola, boa viagem por esse mundo doido...

Uma nova mulher



Muitas coisas aconteceram nessas últimas semanas...

Pra começar, me rendi ao mundo formolístico e fiz uma escova cuja nacionalidade não sei ao certo - london ou marroquina.

Comprei num site de compra coletiva (uma das grandes roubadas/tentações do mundo moderno), a tal escova, um tal de óleo de argan e um "jato de vitamina C".

Cheguei no salão muito animada com a idéia de nunca mais ficar gripada. Avisei que além do combo queria cortar o cabelo, então conheci a moça que iria realizar essa tarefa nobre de me transformar numa diva, para que eu finalmente tenha um video bombando na internet e possa participar do Superpop e tenha um bordão famoso.

Minha amiga cabeleireira mexeu em minhas madeixas rebeldes e disse: "Nossa, seu cabelo tá super desestruturado!"...

Eu respondi: "cara, você ainda não viu meu estado emocional!"

Fui então me entregar à única coisa que realmente amo fazer em um salão: lavar os cabelos... se eu fosse rainha do Egito, gostaria de ter um séquito que lavasse meus cabelos todos os dias, massageando meu cérebro... já sei até quem seriam os escolhidos: Ryan Reinolds, Jason Bateman, Seth Rogen e Jason Segel, se revezando nessa tarefa gloriosa.

Na verdade foi uma experiência meio 3D, porque o lavabo/pia de cabelo ficava colado numa parede onde estava pendurada uma televisão de plasma gigante. Enquanto a moça lavava meus cabelos, Albieri gritava muito nervoso em cima de mim. Tenso.

De volta à cadeira e já com a química na cabeça, espero minha amiga cabeleireira começar a secar meus cabelos. Ela faz tanta força pra puxar a juba que me sinto culpada de estar ali por uma promoção e não estar pagando todo o valor milionário original do procedimento. Suando, ela dá um risinho nervoso e diz: "nossa, seu cabelo não tem redemoinhos, tem um furacão!"... essa foi a melhor definição que já ouvi sobre meu cabelo rebelde e explodido.

Antes de se despedir e deixar outra colega finalizar a operação, ela se despede e anota meu e-mail, dizendo que está num novo projeto, mais personalizado, muitas coisas "primavera-verão", inclusive lipo pro cabelo... me recuso a comentar a piada pronta.

Saí de lá com cabelos lisos sacudindo bastante a cabeça a cada movimento lateral, e acabei esquecendo que eles não fizeram o jato de vitamina C... ou seja, mais uma primavera trabalhada na rinite.

Nada como um momento mulherzinha no salão, lendo Quem e Contigo curtindo um cabelo mais digno.



quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Foto de turma na escola




Hoje Bernardo tem foto de turma na escola... a galera do Pré II tá se montando pra chegar na escola super lindo e sair legal na foto...

Adoro esses dias especiais escolares... minha avó tem pendurada no quarto dela uma foto minha quando estava no 3º jardim, toda sorridente, de uniforme e maria-chiquinha... como eu era um pouco exibida para fotos e afins, sei que gostei... lembro de um dia de foto na escola, em que o fotógrafo ficou no pátio do segundo andar, a gente era chamado de um a um, aquela expectativa... como lembro de um pano de fundo escuro, acho que foi o dia dessa foto na parede da minha avó...

Outras anos vieram, outras fotos foram feitas, nas escadas do colégio, todo mundo sorrindo, as professoras em pé ao lado da turma...

Aí no primário continuaram as fotos, e lembro que algumas me deixam tensa quando vejo, porque meu cabelo era por demais explodido e eu era dentuça... quer dizer, logo usei aparelho, mas devo dizer que não era muito feliz com minha imagem e preciso trabalhar meu sentimento...

(Por favor, amigo Amarante, não me venha com chantagens, mandando todas as fotos daqueles álbuns na estante da casa de Neida pra mim dentro de um envelope  pardo com uma carta escrita com letrinhas de revista pedindo todas as minhas jóias de família, ok?)

Hoje saí de casa e deixei separado o uniforme mais novinho, mais limpinho... Bernardo escolheu uma meia azul com caveirinhas pra usar, e disse que Tia Kelly já ensinou a eles as poses que devem fazer... está super animado, e acho que essas pequenas alegrias escolares são tão importantes e legais e incríveis e memoráveis que é por isso que sou super-mega-fã de escola, creche, enfim, esse espaço de convivência infantil tão importante.

Sei que todas as "mães malucas do PréII" também estão pensando nisso hoje: "será que meu filhote vai ficar fofo na foto? será que vão fazer um penteado estranho?"... e hoje de noite eles vão contar animados como foi, quem sentou do lado de quem, e aí vão ficar perguntando quando chega a foto, todo dia, até que elas cheguem...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Doki, Doki, Doki





Meu relacionamento com Doki começou quando Bernardo nasceu. Ele tinha crises de choro homéricas que paravam instantaneamente quando ele ouvia a música de abertura do desenho "Historinhas de Dragões".

Quando ele estava com uns 8, 9 meses, passeando no Shopping Iguatemi, ele avistou bonecos do Discovery Kids, sacudia os braços, ria alto... era o evento Ciranda Discovery Kids.

Entramos, e ele adorou ver os personagens, tiramos muitas fotos, em alguns momentos sentamos no chão para ouvir os monitores e engatinhar um pouco (o Bernardo, não eu).

No ano seguinte, mais Doki. Dessa vez Bernardo já andava, explorou tudo, passou a mão na barriga do Pablo várias vezes, adorou.

E assim seguimos com esse caso de amor com Doki e com outros personagens, e todo ano vamos ao evento.

Dessa vez fomos no dia da inauguração, depois com um amigo da escola e amanhã iremos com todos os primos (caos à vista).

Com tanto tempo de relacionamento estável com Doki, provado por fotos e certificados de exploradores e amigos da natureza, acho que já posso pedir uma parte da fortuna desse cachorrinho querido, não?

O evento acontece no Shopping Iguatemi aqui no Rio até semana que vem, e as crianças adoram, o Doki é aguardado como estrela de cinema ao final da brincadeira.

E esse ano aprendi uma frase com Doki que uso com Bernardo toda vez que ele quer fazer birra:




Vivendo e Aprendendo!!!

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Samba, ordinária...



Uma deputada baiana quer proibir músicas de duplo sentido na Bahia... oi?

Entendo que algumas músicas denigrem a mulher ou são meio pesadas... a música baiana e também o funk carioca, podem ser exagerados com suas ordinárias e cachorras, e acho que em alguns momentos surgem dentro do próprio "movimento" músicas que respondem a isso, como a super Tati-Quebra Barraco: "sou feia mas tá na moda, tá podendo pagá o hotel prus homi e isso que é mais importante!" Outro dia vi uma entrevista com a Queen Latifah, e ela contou como fez letras fortes contra tantas "bitch" no rap americano, e levantou questões sérias sobre preconceito social, racial e contra as mulheres.

Mas agora uma pergunta de ordem prática: o que é uma música baiana de duplo sentido? Algumas tem um único sentido: a sacanagem, quero dizer, a poesia telúrica.

Vai ter uma comissão para analisar as letras?
"caro colega, acho que essa música nova que diz que quer comer um pirulito deve ser barrada.."
"mas nobre colega, é um anúncio de pirulito..."
"amigo, pirulito baiano tem sempre duplo sentido!"

E mais, se proibir nos eventos do governo, as pessoas vão começar a fazer reuniões na surdina, onde você chega numa casinha inocente e familiar, vestido com seu traje social, bate na porta com um código especial e quando entra no salão as pessoas estão loucas, ouvindo refrões repetitivos, fazendo dança do acasalamento e do encoxamento... quem nunca, né?

Ainda não ouvi nada sobre o desenrolar dessa história... talvez surja um movimento pró-música-de-duplo-sentido, e então "Foge, foge, super homem, foge, foge, mulher maravilha" vai se tornar um hino, uma canção de luta emblemática. Futuras gerações ouvirão junto com seus companheiros com olhos rasos d´água. Fazendo história, será o "quem sabe faz a hora não espera acontecer" da luta pelo direito de rebolar e fazer coreografias humilhantes...

Ou podemos assumir a arte na coisa toda, e criar um blog com a Carla Perez, onde cada dia ela posta uma coreografia edificante, tipo Boquinha da Garrafa, Dança do Põe-Põe, Carrinho de Mão, só para lembrar de alguns clássicos.

Minha dúvida é: e "Cavalgada", gente, quando é que alguém vai cair em si e perceber sobre o quê o Rei escreveu? Até hoje não me recuperei do trauma de infância ao descobrir que não era sobre um passeio num Querido Pônei!!!

Tem que ver isso aê...

Beijos,

Sarajane

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Prainha Bipolar




Há tempos Bernardo me pede para passear na praia depois da aula... como ele sai cinco e pouco, resolvi fazer uma surpresa, num dia em que Bruno chegaria cedo...

Peguei máquina fotográfica, mochila com toalha, cachorro, marido, e lá fomos nós em busca de aventura num início de noite.

Enquanto Bruno passeava pelo calçadão de Ipanema com Digby, o cão gigante, eu e Bernardo fomos até a beira da água, e eu me coloquei na pose de super fotógrafa, agora com uma super máquina...

O mar é fascinante, não importa hora, lugar, idade... a água estava gelada, mas mesmo assim Bernardo quis ficar de sunga, e brincar na beira do mar... corria como louco, pulava ondinhas, perguntava se peixes e tubarões já estavam dormindo...

Eu, num momento empolgado, me abaixei para pegar o melhor ângulo da brincadeira livre de meu filho (a poesia me tirou o juízo), e logo uma onda molhou minha buzanfa... então fiquei ótima, de bermuda jeans molhada..

Depois de muita brincadeira, voltamos para o calçadão, onde Bernardo disse que não gostava de água de côco... Bruno tomou a dele, e depois Digby ganhou de presente o côco geladinho...

Uma delícia de anoitecer, até que chega a hora de ir embora... Bernardo reclama, e só aceita quando digo que vamos passar na casa da vovó pra tomar um banho e tirar a areia.

Chegando no doce lar de vovô e vovó, Bernardo deita no chão da sala e fecha os olhos. A avó chama, ele resmunga, se encolhe. Aí vem o grande "twist" da história... ele começa a gritar que não quer tomar banho porque está dormindo, eu tento conversar, pergunto se algo aconteceu... ele está inconsolável... ele está irredutível... portanto, pego a criatura no colo e levo até o banheiro.

No percurso ele tenta se agarrar nas paredes, na porta, no box... se recusa a tirar a roupa, eu coloco ele de roupa e tudo debaixo d ´água. Chora, chama pelo pai, e eu, com meus anos de treinamento ninja-jedi-Grifinória, falo baixo, e digo que uma das coisas que não posso abrir mão é tomar banho depois da praia.

Não é necessário ter CID para viver a bipolaridade... toda mãe vive isso... num minuto seu filho é fofo, correndo pela areia num comercial de Ades, no outro tá uma vibe meio Regan MacNeil.

Na volta pra casa ele relaxou, conversou um pouco... falei pra ele que era importante que ele fosse meu amigo, que não fizesse bobeira, pra gente passear cada vez mais...

Quando chego em casa, guardando as roupas molhadas da praia, tentando encher meu coração de paz budista novamente, ouço uma conversa no corredor:

"Bernardo, vem escovar o dente!", diz o pai....
"NÃO QUERO AGOOOOOOOOOOORA NÃO", chora a criança....

Digby, o cão, deita na cama, se enrosca no edredon e procura relaxar, porque percebe que vida de humano não é fácil.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Lição do dia: Procrastinação





Hoje tenho vários textos pra ler... tô na frente do computador, lá vamos nós... lendo, fazendo fichamentos...

Não sei quanto a vocês, mas meu cérebro é feito de camadas... enquanto a camada externa está pensando no Modelo Biomédico e sua influência na assistência à saúde atual, a camada média pensa que talvez possa ir embora mais cedo hoje, e passear com Bernardo depois da aula... a camada mais interna pensa que sábado seria legal ir até a praia mas vai ter Doki no Iguatemi...  minha consciência (não sei onde ela se situa), pesa lembrando que metade do meu armário de livros está espalhado no meu quarto porque comecei a arrumar ontem mas desisti no meio do caminho...

Meu cérebro é uma cebola de pensamentos, um novelo de idéias dispersas...

Minha tarefa semanal é fazer um quadro com os modelos de processo saúde-doença, suas vantagens e desvantagens... aí jogo no google e artigos maravilhosos aparecem diante de mim, e quando vejo perdi a tarde toda lendo sobre as práticas de saúde no Egito Antigo...






Segundo a Wikipédia: 

"Procrastinação é o diferimento ou adiamento de uma ação. Para a pessoa que está procrastinando, isso resulta em estresse, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com suas responsabilidades e compromissos. Embora a procrastinação seja considerada normal, ela se torna um problema quando impede o funcionamento normal das ações. A procrastinação crônica pode ser um sinal de alguma desordem psicológica ou fisiológica."

TENSO...

percebem as palavrinhas em azul? dicas de outras coisas aleatórias pra ler... não é ótimo? bora desfocar ainda mais a pessoa, né?

e segue: 

"As causas psicológicas da procrastinação variam muito, mas geralmente tendem a fatores como ansiedade, baixa auto-estima e uma mentalidade auto-destrutiva. Pensa-se que procrastinadores têm um nível de consciência abaixo do normal, mais baseado em "sonhos e desejos" de perfeição ou realização, em vez de apreciação realista de suas obrigações e potenciais."

oi? preciso mesmo de ajuda profissional...

e ainda:

"Pesquisas sobre as raízes fisiológicas da procrastinação, em sua grande parte, focam no envolvimento do córtex pré-frontal. Essa área do cerébro é responsável por funções de execução cerebral como planejamento, controle de impulsos, atenção, e age como um filtro diminuindo estímulos que causam distração, que vêm de outras regiões do cérebro. Lesões ou baixa utilização dessa área podem reduzir a capacidade de uma pessoa de filtrar estímulos que causam distração, resultando em má organização, perda de atenção e aumento de procrastinação."

sabia que esse negócio de cérebro de cebola ia dar problema... mas explica muita coisa, e acho que meu córtex pré-frontal tá precisando de um tempo nessa relação... 

Nossa vida é tudo ao mesmo tempo agora, acho ótimo... otimizar é uma palavra difícil pra mim, meu modo "focar" muitas vezes só funciona quando estou numa fase maníaca, e vamos combinar, o que se leva dessa vida é isso mesmo: todas as coisas que chegam até nós quando menos esperamos... ou quando estamos enrolando.....

terça-feira, 19 de julho de 2011

Adolescência para quem precisa...




Tenho abandonado meus escritos, meus estudos, minhas tardes tranquilas, minhas noites de ansiedade e, confesso, alguns hábitos de higiene supérfulos tipo fazer a unha várias vezes na semana ou fazer escova no cabelo depois do banho...


Ando sem tempo, atarefada com a rotina da vida, e com a vida de mãe de adolescente...


Não, meu filho não é X-Men ou tem superpoderes, não é mais inteligente, ou mais esperto, ou super avançado pro seu tempo... ele apenas chegou aos 4 anos e meio...


Tente lembrar onde você estava com 4 anos e meio... Eu apenas estava no Jardim de Infância Nenequita (ou Pipoquinha Feliz, como diz meu marido)... Hoje em dia uma criança de 4 anos e meio está mais esperta que qualquer um de nós em umas 3 encarnações!


Bernardo chegou numa fase em que os questionamentos estão mudando, as aventuras são outras... Ele ainda diz que é o Harry Potter, mas agora também diz que é o Wolverine, o Homem de Ferro, o "Homem de Água", muito animado ao descobrir que super-heróis não são só luta, como costumava reclamar...


Ele também diz que é o Edmundo de Nárnia... perguntei por que não ser o Pedro, ele disse que o Edmundo "fala mais alto e é mais corajoso"... na verdade o Edmundo é mais temperamental, e meu filho também...


Anda muito rebelde... ontem antes de dormir teve uma crise, disse que aquele era "o dia mais triste da vida dele", que aquele era "o mês mais chato da vida dele", que ele ia pra sala ficar sozinho: "e nem adianta me perguntar", acrescentou, raivoso...


As crianças nos fazem reciclar tudo que carregamos com a gente a cada 4-6 meses... nossos conceitos, opiniões sobre educação, valores, e principalmente, o modo de lidar com as mudanças deles... Aprendemos sobre novos personagens, novas histórias, novas birras, crises existenciais mais válidas que as de qualquer adulto-cabeça...


Agora escuto meu filho responder com uma calma engraçada: "vou fazer tal coisa quando EU quiser"... na maioria das vezes não responde gritando, responde olhando firme pra mim, demonstrando que quer medir forças, quer impor sua condição de dono do próprio nariz...


Outro dia respondeu pro pai: "sou o senhor do meu destino"... oi?


Colocando suas garras de Wolverine pra fora, pra eu sentir que o buraco vai ser bem mais embaixo...

Beijos,

Drama Queen (mãe do Drama Prince)

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Reboca Geral



Atenção, atenção: Passeio Incrível à vista... quem tem criança e quem não tem, chamem todos para embarcar!!

O Rebocador Laurindo Pitta faz um passeio pela Baía de Guanabara, é demais!!

Num domingo de sol fui acordada por uma marido saltitante numa crise súbita de bom humor, dizendo que ia sair para comprar os ingressos para o passeio (R$ 10,00 a inteira e R$ 5,00 a meia entrada)... eu estava com sinusite, e só imaginei o combo "balanço do mar + vento"  fazendo tudo piorar absurdamente, mas diante da explicação técnica de que "o dia estava lindo e com pouco vento e portanto o barco balançaria pouco", me rendi...

Chegamos lá e percebi como máquinas de guerra são fascinantes... Bruno e Bernardo ficaram como crianças (ok, Bernardo é criança), olhando todos os meios de transporte num mesmo lugar: barco, navio, rebocador, helicóptero, nau, submarino, aviões pelo céu...

No Submarino-Museu Riachuelo começa a aventura: descer a escadinha estreita, abaixar a cabeça, enfrentar a claustrofobia... lá dentro é muito legal, e Bernardo perguntava o que era tudo, e minha sorte é que Bruno se adiantou e explicou os detalhes... 

Depois fomos visitar o interior do helicóptero, que tem algumas coisas exdrúxulas escritas na fuselagem (é isso? ou só avião tem fuselagem, KD dicionário de termos técnicos?)... Veja bem:








Depois a aventura é visitar "a Nau Vascaína" (repita rápido e tem minha piada pronta favorita do passeio), onde o Capitão Gancho poderia aparecer a qualquer momento...

O cenário é lindo, o dia estava lindo... e aí começou a angústia da espera pelo começo do passeio. Entramos no rebocador e tivemos que esperar 15 minutos até que todos se sentassem e as crianças colocassem os salva-vidas... Bernardo ficou de mau-humor, reclamou, até que o balanço do barco tornou a coisa mais animada...

O passeio dura mais ou menos 1 hora, e o rebocador é espaçoso, dá para as crianças circularem (sob supervisão, claro)... eu que não tenho fascinação por esse mundo de aventuras marítimas, amei o percurso, e a sinusite nem incomodou.

Na volta fomos ao Navio Museu Bauru, um "contra-torpedeiro escolta" (KD batalha naval?) onde quase tive uma crise anti-bélica quando vi a alegria que meu marido teve quando viu umas armas (metralhadoras? não faço idéia!) e vi como meninos gostam de brincar de soldado. Depois de uma retirada estratégica devido a uma emergência (Bernardo quis fazer xixi), fomos ver o solzinho de fim de tarde enquanto lanchávamos.

Saí com vontade de voltar, e a próxima aventura será o passeio à Ilha Fiscal!!

Beijos,

Barrica (ou Sr. Smee???)

Pequenos Invasores



Hoje Bernardo acordou com o olho um pouco vermelho, então não foi pra escola... de manhã, antes de ir trabalhar, assisti com ele ao filme "Pequenos Invasores" na TV...

Muito legal!! Lembra ET, lembra Goonies, eu adorei, Bernardo adorou...

No filme uma família vai passar o 4 de Julho numa casa no lago, e então as crianças entram numa aventura quando a casa é invadida por alienígenas...

O interessante é que a luta se dá em função das habilidades de cada uma das crianças... tem um primo chato e brigão que acaba usando "para o bem" suas habilidades corajosas e suas "técnicas de guerreiro"... os irmãos mais novos dele são super antenados com tecnologia e usam sua prática de jogadores viciados na luta pra salvar a humanidade...

O protagonista é um menino nerd que anda meio irritado com a vida, mas que vê seu valor quando usa seus conhecimentos e inteligência para liderar a família na aventura... a irmã dele é a Sharpay, ela passa o filme todo sendo uma adolescente "mulherzinha" até entrar na luta também, e a irmã mais nova traz o olhar de criança que acredita em tudo, e sua inocência também ajuda...

Os adultos são distantes, nada compreensivos, mas no final o relacionamento do nerd com o pai também melhora a partir dessa experiência. Tem a mãe, um tio, a avó e o namorado da Sharpay, e muitas referências a videogames, lutas e etc, deixando a história bem interessante para crianças mais velhas também. Os alienígenas também são fofos e engraçados...

Dica de aventura!!!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Pense nisso...



Andei pensando em como estamos construindo "gênero" nas cabeças do futuro.... filosofei total, mas é que trabalho num lugar onde muito se debate sobre a homofobia, me orgulho de fazer parte disso, e como mãe fico meio impressionada em como às vezes passamos mensagens truncadas pras crianças...


No sábado fomos lanchar no McDonalds após Bernardo colher sangue e pedir como prêmio por sua bravura um lanchinho. Lá presenciei uma cena muito louca... a mãe entrou com a filha e perguntou o que a criança queria, e claro que a filha pediu um lanche com brinde...


Chegando no balcão a mãe pede o lanche e a atendente diz que só tem 3 modelos de brindes, todos “de menino”... a mãe então, muito brava, pede para cancelar a compra... a filha começa a chorar, porque quer um carrinho do Coringa... a mãe diz que é pra ela parar com o escândalo, que ela não vai comprar um brinquedo “de menino” pra ela... a menina diz que quer, que é legal, e é carregada no colo, aos prantos, para fora da lanchonete...


Quanto energia gasta à toa... que loucura...


Menina não dirige carro e menino não cuida de filho, porque Hot Wheels é de menino e Barbie é de menina, diz a praça de eventos do Shopping Iguatemi... sim, o evento é dividido em 2 áreas SEPARADAS, menino entra por um lado e menina por outro... pobre mãe que tiver um casal de filhos, pobre criança que não gostar daquilo que foi classificado pra ela...


Semana passada no mesmo shopping o evento era “Bakugan X Meninas Superpoderosas”, e os meninos mais velhos estavam querendo passar gel no cabelo no salão de beleza das meninas, o que deixou os monitoras do evento levemente tensas, porque “não podia”...


Nas lojas de departamentos a seção infantil é dividida entre roupas pra meninos e roupas pra meninas... eu, que quando criança não gostava muito de rosa, ia ter que me vestir de saco de batata...


Caso você queira manter o suspense do sexo da criança que espera está ferrado: vai comprar só roupas lisas amarelas e seu bebê vai achar que é um pintinho.


As lojas de brinquedos também estão assim, com os grandes personagens e marcas bem definidos entre brinquedo de menina e de menino... até mesmo os brinquedos “unissex”, como massinha de modelar, vêem com um personagem para destacar o gênero da criança a que se destina o presente...


Menina não ganha carrinho e menino não pode encostar numa Barbie... é assim mesmo? em tempos de comemorações merecidas pela PL 122, ainda tem disso?


Tá na hora de renovar as cabeças retrógradas que trabalham com e para crianças... os pais precisam encarar o medo da sexualidade das crianças, das escolhas que elas farão. Isso me parece claro nessa imposição aflita e forçada de gostos por cores e brinquedos... e não tô nem pensando ainda nas escolas!!!


Na Loja Americana da minha esquina vi um “Hot Wheels da Poly mas fala diferente”... é um brinquedo da Polly, com caixa cor de rosa, bonecas trabalhadérrimas na moda glitter, mas que na verdade é uma pista Hot Wheels (só que cor de rosa).


Anota aí, meninas: pode gostar de carrinho, mas só se for da Polly e cor de rosa... não é de surtar?


Se a gente quer construir uma sociedade com respeito, diversidade e amor ao próximo, temos que lembrar que as crianças aprendem brincando... vai ser mais difícil convencer o dono da C&A que a coleção moda infantil feminina só com Barbie tá chata, mas dá pra fazer algumas coisas pequenas pra mudar o mundo de nossas crianças hoje, agora, bem rápido... quebrar paradigmas nunca foi tão fácil e accessível, nem quando você tava curtindo uma onda hippie e ficou sem tomar banho na década de 60...


Pense em estimular a criatividade e a experiência lúdica do seu filho sem preconceito, deixe que a criança brinque muito, explore mil coisas, sentimentos e gostos... se sua filha pira na Barbie, curta, monte mil fantasias, mas quando der, mostre um livro diferente, filmes de aventura, leve ao zoológico, mostre um jogo de futebol emocionante... pega seu moleque lindo, leva ele para visitar o irmãozinho de um amigo que acabou de nascer, mostre como é bom cuidar delicadamente de outro, pinte, cante, faça um bolo, veja um filme de amor....


Não é só "diversidade sexual", é a conquista do direito de pensar, sentir, gostar, amar, dançar, cantar, escrever, experimentar, e também brincar do jeito que se gosta..


O mundo já é tão esquizo... a gente pode dar uma mãozinha pra nossas crianças ficarem mais bem resolvidas.





Como expulsar um chato em 3 dias



Preciso desabafar... gente chata é o Ó...

Gente chata que se acha, além de chato é nocivo ao bem estar de terceiros...

Gente chata que se acha em situação de pseudo poder é algo que deve ser levado ao Conselho Intergaláctico com urgência...

Tô de péssimo humor... nem dá pra culpar a TPM, ou a menopausa ou qualquer coisa biológica irritante... é cansaço com muita coisa pra fazer e agonia de ter que sorrir para chatice...

A chatice é aquilo que consome sua energia, que faz você querer ter o poder do teletransporte ou uma capa de invisibilidade...ok, uma arma jedi... hoje queria um mundo com uma rotina mais fácil, queria ajuda, queria resolver problemas sem ter que passar pelo desafiador Portal da Chatice...

Não adianta aquele discurso onde aprendemos que certos desafios nos tornam mais fortes... cansei.. quero aprender e evoluir sem ter que aturar certas coisas, ok, Universo?

Para fechar, aproveito a brincadeira do Facebook... toma uma letra:

C de “Chatice, se arranca!”
H de “Haja paciência pra aturar você, sai daqui, obrigada!”
A de “Atenção todos os chatos, portão de embarque número 5, vôo direto para a Conchinchina”
T de “Tu és responsável pela chatice que carregas, Raposa Inconveniente”
I de “Isso mesmo, chatos não são legais”
C de “Chatus Petrificus!!!”
E de “Eu não aguento mais sua capacidade de ser chato e desanimar meus dias, evapore, por favor!”

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Minha mãe não vota mais em mim




Preciso dedicar esse post a minha mãe... num momento mãe de miss ela foi futucar na internet alguma coisa sobre o concurso da crescer e achou alguém reclamando algo tipo “tinham outros blogs melhores”, “KD clareza no processo eleitoral” e “isso é coisa de mãe que não trabalha e ficou votando na internet”...

Minha mãe ficou um pouco indignada... afinal deve ter sido a primeira vez em que ela votou em algo na internet... deve ter sido a primeira vez que ela votou em mim pra qualquer coisa... e ela disse que pensou em responder o comentário, mas não sabia como (ela ainda procura o visor antigo de buraquinho na máquina fotográfica digital, então realize a cena...).

Acho que concurso, votação, eleição é sempre algo engraçado, porque há controvérsias, debates emocionados... eu mesma fico sempre tensa quando resolvo me envolver com alguém que concorre a alguma coisa porque geralmente piro no processo, defendo, fico indignada...

O concurso do blog é algo que deve ter movimentado muita gente, quem escreve, amigos, parentes, e isso é ótimo, porque as pessoas se envolvem, leem, divulgam informações; não apenas votam, mas movimentam idéias...

Como disse outro dia um professor universitário na Globonews: “nunca se escreveu tanto como na era da internet”, e acho isso o máximo... a gente escreve, joga as palavras no espaço sideral, como se algum dia alguém fosse encontrar a garrafa com a mensagem...

Tem blog melhor? Tem blog pior? Tem blog mais útil? Tem blog com norma culta? Espero que sim, viva a santa diversidade. Cada um escreve o que gosta, o que pensa, e a gente vai buscando ler aquilo que parece mais adequado ao nosso momento intelectual, emocional, lúdico, insano.

Eu não sei o que é bom... nem sei sobre o que escrevo... confesso que fujo de rótulos como vampiro de hollywood foge da pele ressecada e sem brilho... eu vim aqui pra confundir, eu sou a mosca que posou no seu abacaxi, Terezinha....

Que me siga quem tem GPS, porque eu tô perdida... pra quê mapa quando se tem vários destinos ao mesmo tempo...

“Two roads diverged in a wood and I - I took the one less travelled, and that has made all the difference”

(BUM, só pra ficar culto no final!!! quem adivinhar em que filme aparece esse poema ganha um vale-locação de fita VHS, quem souber o autor ganha uma bolsa no curso de literatura comparada da Aninha)

sábado, 28 de maio de 2011

Malévola on ice








Pra você se lembrar do Disney on ice do ano passado, leia aqui:

http://borogoblogs.blogspot.com/2010/06/lu-patinadora.html




Agora, senta que lá vem a história...







Fomos ao Maracãnazinho ver Disney on ice, muito animados... quando digo muito animados você pode imaginar como eu estava exausta de ouvir Bernardo falando a manhã toda perguntando a que horas a gente ia se arrumar...







Enquanto esperava na fila brincando de adoleta com Bernardo, a moça que estava atrás de mim fala que na porta disseram que os lugares não eram marcados, assim como foi dito pelo telefone... liguei para minha irmã e falei pra ela correr... quase que Gabriel nasce na Praça da Bandeira no meio do engarrafamento, coitado...







Entramos esbaforidos, para lá dentro do Maracanâzinho sermos informados que os ingressos eram sim, marcados... perguntei a moça que recepcionava na entrada do setor se ela iria pagar a terapia, porque tinha surtado pra chegar ali rápido... adoro eventos organizados que fazem sua experiência ser super relax e tranquila...







vendedores, vendedores, vendedores... ligaê pro pessoal do Ministério da Fazenda porque a inflação chegou mesmo, gente, a coisa tá feia....







Bernardo só perguntava uma coisa: cadê a Malévola, cadê a Malévola, cadê a Malévola...




tudo bem que a diva bruxa maravilhosa deixou um ótima impressão com a explosão do ano passado, mas por favor, filho, vamos ficar calmos, o show já vai começar...




"filho, vamos lá fazer xixi"



"não queLo, a Malévola vai chegar"







"filho, vem olhar a lojinha..."



"não queLo nada, vou esperar a Malévola"









"Bernardo, segura a pipoca"



"Malévola"








Começa o show, carinhas de emoção, alegria, entusiasmo...







Entram vários patinadores vestidos tipo "Mary Popins", dançando felizes... Bernardo reclamou, dizendo que não reconhecia aquelas pessoas....







Aí entram os personagens... foi lindo, fofo... graças ao maravilhoso filtro da minha TPM, essas emoções me fizeram começar a chorar... esse estado de graça durou uns 5 minutos, até Minnie começar a falar pelos cotovelos de ratinha fashion...







Bernardo estava um pouco irritado... perguntou se o Mickey ia "sair logo para os outros entrarem"... perguntei quem era os outros, ele respondeu: "Malévola"....




Nesse momento meu cunhado repara uma coisa: Margarida sumiu... Margarida havia entrado com a galera, e sumiu do palco... momentos de tensão... ninguém comenta nada... o pessoal pra lá e pra cá, e aí reparo uma coisa: Pluto também sumiu... sei não, Pato Donald, as coisas não estão boas pro seu lado...







A história é mais fraca que a do ano passado, é um passeio no parque Disneyland, passando pelas atrações... Na Tomorrowland vemos Buzz (que não tem o aquário na cabeça, e só com a touca roxa fica paracendo um fósforo), na Frontierland vemos Woody e Jesse, que com sua voz aguda e gritos parecia haver consumido algo ilícito... Num dado momento aparecem os piratas do caribe geograficamente desorientados, pois fizeram uma dança irlandesa (o rum tem dessas coisas)...




"mãe, a Malévola não vem...", diz meu filho inconsolável, enquanto os amigos de Mickey se organizam pra fazer a parada da tarde... ofereço um biscoito para que ele esqueça a saudade que sente da bruxa...




nisso percebemos que Margarida não voltou... Pluto também não... e para nosso choque, percebemos que Pateta foi pra coxia e também não voltou...




para Bernardo nada importa, ele está quase se levantando pra ir embora, desolado porque Malévola não aparecia...




a Cinderela e a Branca de Neve aparecem, mas são as únicas princesas... o Balu e o Stich também estão por ali... o enredo do show é bem ruim porque os personagens não fazem muito sentido juntos... quando percebemos, Margarida está de volta ao palco gelado como se nada tivesse acontecido, e logo Pateta e Pluto também... muito suspeito... vai ver eles estavam assistindo o jogo do Barcelona atrás da cortina...




e então.... eis que ela: linda, poderosa, montada, com seu cajado iluminado, seus 2 chifres e sua pele verde-Hulk-brilhante, entra no palco e faz tremer o Maracanãzinho: Malévola...







ela sequestra a Minnie e o Pato Donald, e o resto do show os outros personagens, junto com Os Incríveis tentam resgatá-los... Bernardo de boca aberta, todo chocado durante o processo, batendo palmas pra valer... realmente ele gosta de aventuras aterrorizantes, emocionantes e perigosas... esse negócio de parada musical é para os fracos, rs,rs,rs




claro que é o máximo, claro que é lindo... mas descobri, numa filosofada, o porquê de tudo da Disney fazer sucesso com crianças de todos os tamanhos... ao começar um show, uma atração, você escuta "Ladies and gentlemen, boys and girls".... ou seja, fala diretamente com a criança...






papo meio piegas, mas verdadeiro, porque tudo o que a gente quer é um show incrível, mágico, feito pra gente...















sexta-feira, 27 de maio de 2011

Born this Way




No dia das mães, ao ser perguntado pelo pai se sabia do que eu gostava, meu filho respondeu: “Mamãe gosta de música”... depois acrescentou “mamãe gosta dos BÍTOUS”...


Não ouço tanto Beatles com ele, mas tendo em vista quantas camisetas tenho relacionadas ao tema, ele captou a mensagem.


No dia em que fomos ao Parque Laje ele me perguntou porque tantos cartazes do Roberto Carlos nos postes... era o Paul McCartney... mas ele não acreditou, muito menos quando disse que ele ia fazer show no Brasil, falando cheio de certeza: “mamãe, os BÍTOUS estão mortos”...


Não faço idéia de onde ele tirou isso... tentei explicar que não, que eram 4 e 2 ainda estavam vivos, mas o conceito de morte dele ainda é meio fantasioso, uma morte fictícia em filmes de aventura e contos de fadas recheados de madrastas...


Essa semana o rádio do carro tocou muito Paul e Beatles, e numa hora eu falei pra Bernardo, enquanto ouvíamos “Let it be”: “Filho, são os Beatles no rádio”....

Aí ele embananou tudo na cabeça (totally bananas, parafraseando Sir Paul)... perguntou se o Glee cantava aquela música, porque “Glee canta Beatles”... ( ele sabe que eles cantam “Hello Goodbye”, que ele adora, já que são 2 palavras da língua inglesa que ele domina e repete sem parar)...


Quando “Let it be” acabou mudei de estação e tocava “Halo” que ele reconhece como outra música do Glee (apesar de na série eles cantarem a música em outro ritmo e num medley, ou melhor, mashup pra ficar moderno)... ele então perguntou se quem cantava era a RIANA, porque outro dia ele descobriu que ela canta “Take a bow”, que eu adoro... respondi que era a Beyonce, conhecida lá em casa porque também canta “Single Ladies”, que pra Bernardo é a melhor música do mundo já que além de tocar no Glee também aparece no filme dos esquilos cantantes...

Claro que ele ficou repetindo BIONÇA e me deu vontade de rir... depois começou a tocar uma música do Black Eyed Peas ele perguntou se era a LADY GAGA, assim, com sotaque britânico...
Da primeira vez que ele mandou um LADY GAGA, foi há muito tempo quando víamos televisão... eu soltei uma gargalhada e perguntei aonde ele tinha ouvido esse nome, ao que ele rapidamente respondeu “meus amigos adoLam”...

Nossa conversa musical continuou no carro, e o engarrafamento se tranformou num evento totalmente divertido... Bernardo e a cultura pop...

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Oneness




Fomos ao CCBB ver o que está acontecendo nesse mundo lindo, cultural e animado...





Bernardo agora só chama o CCBB de Escher, acredito que ainda em função do trauma do gato. Ele adorou saber que íamos passear, pediu para andar de metrô e levar a máquina fotográfica. Ah, sim não contei o "episódio máquina fotográfica": a nossa máquina antiga sofreu um pequeno incidente canino e portanto está com o display quebrado, e isso foi ótimo do ponto de vista do Bernardo, que acha emocionante tirar fotos e não saber como saiu, para então animado olhar as imagens no computador... pra quem passou parte da vida com as antigas máquinas e seus rolos intermináveis, isso soa chato e nada prático, mas as crianças adoram novidades e surpresas.



Fomos abraçar o ET. Sim, amigo, Mariko Mori is in the house, e fomos interagir com uma arte contemporânea, interativa, e uma das obras incríveis é uma rodinha de Ets fofos que levam você a pensar no conceito de Unidade. Lindo. Aliás, Oneness é o nome da exposição.




Bernardo ficou meio receoso, mas depois de acompanhar o grupo anterior abraçando o ET, resolveu aderir, e ficava repetindo super alto que eles pareciam o Yoda.





Mais adiante estava a instalação Transcircle, que parece um stonehenge. Cada pedra simboliza um planeta e sua cor muda de acordo com a sua aproximação do sol. Bernardo olhava animado, tentava adivinhar a cor seguinte, e então resolveu chegar perto de uma das pedras para "assoprar" e então fazê-las mudar de cor.




Achei lindo, mas fiquei perto da criatura para me assegurar que ele não iria ficar muito doido de arte moderna, abraçar uma pedra e gritar "sai, Alienígena!!". Nisso peguei o celular para ver se tinha ligações, e quando levantei a cabeça tinham várias outras pessoas adultas assoprando as pedras para elas mudarem de cor. Fiquei sem saber o que fazer... como eu iria avisar cada um que não era preciso assoprar? Que Mariko não estava pensando nesse tipo de interatividade? Pensei em avisar a uma das meninas da organização do CCBB, mas ia soar meio louco da minha parte...




Espero que um desses adultos não seja um aluno que ao fazer um trabalho sobre a exposição escreva: "assoprar as pedras nos dá uma sensação de poder divino, de controle sobre as forças da natureza... Mariko nos conduz pela força da nossa própria vida (o ar saindo de nossos pulmões) diretamente impactando com a superfície da pedra que simboliza a dureza das representações sociais no mundo bipartido em que vivemos ". TENSO.




Nesse meio tempo Bernardo foi para uma outra sala ver um vídeo da artista, e perguntava muito sobre as imagens insanas. Fico impressionada como ele gosta de uma televisão, mesmo que não esteja passando "Pernalt Disney" (Playhouse Disney).




Enfim, um divertido programa para as crianças assopradoras de pedras coloridas.






quinta-feira, 19 de maio de 2011

Cabe uma penteadeira....

Tava de mau humor... "teve boatos que eu tava na pior"...

Daí percebi que amigos lembraram de mim após ver um vídeo, ouvir uma música...

Aí assisti algumas vezes... da primeira vez, confesso, senti inveja de não estar ali no meio...

Depois senti saudade, até agradecer sinceramente por já ter sentido aquilo de modo sincero e espontâneo...

Tem gente que passa por várias vidas e não vive um momento assim, e eu vivi vários, com diversos amigos diferentes, em várias situações... já tá de bom tamanho, eu e "meus bons drink".

Bom final de semana, segue o vídeo.



quarta-feira, 18 de maio de 2011

Um Lugar Qualquer



Ando assistindo vários filmes legais na minha onda de insônia-ansiedade...




Esse final de semana entre passeios emocionantes com Bernardo assisti "Somewhere", da Sofia Coppola.


Resolvi dar a dica porque penso e falo muito sobre mães: filmes com mães, mães em filmes, e dessa vez é um filme sobre um pai e uma filha. Conta a história de um ator americano famoso, super celebridade, que vive nesse mundo fora da "realidade", em meio a excessos e fama, e do nada passa a tomar conta da filha de 11 anos, com quem antes convivia pouco.


O filme é legal, não é pipocão, ou seja, prepara a cabeça pra pensar, meu chapa.


Preciso confessar que escolhi o filme pelo cartaz, que achei lindo, e nem liguei o nome a pessoa, então, comecei a assistir sem saber que já tinha ouvido falar dele. E que eu tenho uma queda por estradas (daí minha mania insana de andar de carro fotografando pela janela), e consequentemente por cenas de estradas. Esse não é um "road-movie", mas tem cenas lindas de rodovias, carros e paisagens.


A história é legal, apesar de ter achado o final "Mais Hein?": daqueles que quando o filme acaba a gente pensa, "ué, tá faltando algo...". Adorei o filme mostrar a vida de uma pessoa cheia de excessos, vícios, inconstâncias, que passa a também levar a vida de um pai que ama a filha, quer conviver com ela, e de como as mudanças acontecem.


Por isso resolvi dar a dica, é um filme que serve pra pai, mãe, todo mundo. Quando a gente passa a assumir um novo papel - de pai, esposa, mulher de negócios, dançarina exótica, ou de mudar o jeito como exercemos aquele papel, a vida toda muda, prioridades, valores, idéias, expectativas, tudo se transforma.


E para que os meninos se animem para assistir, tem uma cena com pole dancing que é genial....

Beijos,

Rubens Edwald Filho - o Brasil nunCaGanhou nada no Oscar

terça-feira, 17 de maio de 2011

eu quero ser famosa, ser uma grande artista



Parabéns, você foi escolhido!!!!!!!!!!!!!!!!!

Essa é a postagem de número 100 do borogoblog...

Clique aqui para votar no blog:

http://editora.globo.com/pesquisas/pesquisa_crescer_060511.htm

Procure na listagem "blog de mães" e marque Borogo (assim me chamam os íntimos)...

Me ajude a ser uma subcelebridade linda e rycah, para realizar meu sonho de fazer um miojo com Angélica no Estrelas!!!!

Prometo que assim que estiver a frente do meu programa vespertino de entrevistas farei um especial dedicado aos meus leitores, e uma vez na Ilha de Caras, posarei enrolada na canga fazendo um coraçãozinho com as mãos!!!

A próxima festa de aniversário do Bernardo será numa casa de festas chiquérrima e contará com a presença de Suri Cruise, Benjamim Bundchen, e a criançada da Jolie!!!

Esse post é em homenagem a meu agente literário e assessor de imprensa, Pedro Mário!
Prometo que depois de ter meu livro adaptado para as telinhas e encarar o fracasso de bilheteria vamos marcar de conversar no Casos de Família!!!

Beijomeliga, te vejo na Dias Ferreira fugindo dos paparazzi.






segunda-feira, 16 de maio de 2011

A rosa e o sorvete, o sorvete e a rosa...




Esse final de semana foi de intensas comemorações - Bernardo melhorou da virose e pediu para celebrar comendo um lanche no McDonald´s... então sábado fomos à Radio Maluca dançar um jongo (onde fui até o nível mais baixo como mãe: ao chamar meu filho pra dançar e ver que ele se recusava, falei que se ele dançasse comigo ganharia um lanche feliz com brinquedo - ou seja, agora é oficial: eu não tenho escrúpulos ou dignidade)....



Depois de tanta cultura, fomos ao shopping lanchar e nos jogar no consumismo. Encontramos com amigos da escola, e nos divertimos muito.




Domingo foi uma aventura ainda maior, acordei cedo para levá-lo no Parque Laje, onde está acontecendo uma programação especial: "Domingo no Parque", várias atividades para as crianças acontecendo ao mesmo tempo.

Falei pra Bernardo que iríamos sair para explorar, e ele se jogou na proposta... falando sem parar, sentou-se comportado no carro, e ao longo do caminho tentava adivinhar aonde estávamos indo...

Quando chegamos no Parque Laje, ele ficou meio irritado, queria saber onde estavam as "aventuras de verdade"... Antes que uma crise política internacional estourasse em função dessa insatisfação, comecei a falar que logo encontraríamos cavernas, lagos, árvores gigantes...

Ele adorou a caverna, que chamou de "o buraco da Alice"... fez com que eu desafiasse o bom senso e a gravidade enquanto passava por aquelas pedras cheias de limo e lama... fiquei impressionada ao lembrar que quando era criança eu corria por aquelas grutas com minha turma da escola, e agora só de olhar fico pensando no tombo, no mico, no fêmur quebrado, nas sessões de fisioterapia...

Quando chegamos do outro lado da caverna, ele ficou impressionado com as estalactites... eu fiquei impressionada por lembrar das aulas da escola e saber a diferença entre estalactite e estalagmite, questão que sempre caía na prova de ciências...

Achou que o laguinho era "bobo", porque os peixes estavam com "preguiça"... eu defendi meus amigos astrológicos, disse para Bernardo que nem eram 10 da manhã, de repente os peixes tinham saído no sábado à noite e estavam cansados... ele não achou graça, e resolveu procurar outra caverna...

Corria animado, subia escadas, queria fazer tudo ao mesmo tempo, molhava a mão no lago, se equilibrava nas pedras... e quando começou a animação no evento, quis correr para ver as atrações - não sem antes me pedir para brincar com ele no "círculo", porque ele queria ver o "balabaLista" mas era "tímido".... eu disse que brincava, mas não iria me meter a equilibrar pratos...

O evento foi muito legal... um grupo de animadores circenses, um cara tocando música para crianças, contadores de estórias, oficina de percussão, espaço para artes... e o que deixou ele realmente impressionado: toddynho...

Havia um estande onde eles distribuiam bolinho Ana Maria, água, toddynho e maçã para quem estava participando, e Bernardo pirou em ver uma fonte inesgotável de toddynho... falou que ali era ótimo porque as crianças "precisam de alimentos" e volta e meia me fazia voltar ao estande para repor as energias.

Na hora da oficina de arte ele desafiou o próprio TOC ao sentar num plástico que era coberto por uma massa feita de lama, terra, cola colorida, guache, onde as crianças podiam pegar materiais recicláveis e inventar de tudo... fizemos bonecos e barquinhos...


Depois fomos até a Escola de Artes Visuais... aí foi a cena mais fofa e engraçada... a princípio ele ficou animado para entrar naquele "castelo", subiu as escadas, tirou foto... mas quando ele viu aquele portão interno, de onde se vê a parte de dentro e a piscina, ele congelou...

"Vamos, filho..."
"Não"
"Vamos lá, Bernardo, olha a piscina"
"Não"


Quando vi que ele tava com medo, fui andando na frente, e ele logo correu atrás de mim e segurou minha mão com força, perguntando, baixinho:

"Mãe, aí dentro é outro país?????"


Depois fui entender que ele achava que aquele portal dava para outro lugar, segundo ele "tipo Nárnia"... e durante os primeiros minutos ele ainda afirmava que ali era um outro país ou um outro planeta... só depois de ver outras crianças mexendo na água da piscina é que ele foi se tranquilizando....

Nosso passeio foi ótimo... e fiquei com uma sensação engraçada ao perceber como o mundo de fantasia é real para ele, que vive com essa linha tão tênue... Quando ele vê as aventuras de Alice, Edmundo, Lucia, Suzanna, Pedro, Harry, Rony, Hermione, ele realmente acredita que tudo aquilo é real, e que vamos encontrá-los na próxima esquina....


E eu entrei no carro com a certeza de que realmente passamos por outros mundos durante nossas aventuras de domingo num parque...... e que é muito mais divertido viver assim, esperando o incrível...

sábado, 14 de maio de 2011

A semana do presidente 8 (tem alguém contando?)



Essa semana foi de entortar qualquer um...



Meu filho teve uma gastroenterite, eu também fiquei meio mais ou menos, e como resultado temos (graças à Deus), uma criança recuperada a 100 km por hora e uma mãe moída se arrastando pelos cantos...



Bernardo quase não fica doente, mas quando cai, cai teatralmente, com febres de 40º, que não cedem e fazem a mãe arrancar os cabelos de agonia...



Na noite de domingo para segunda fomos para a emergência infantil, e ele bravamente tomou uma intramuscular de dipirona... eu quase desmaiei, apesar dos anos como enfermeira pediátrica... em segundos passam vários questionamentos, dúvidas, medos e uma sensação de estar sendo uma bruxa má, muito má, muito má, bruxa má, muito máááá....



E dias depois a criança se recupera e acorda falante, pedindo pra passear, e você, pobre ser humano sem maiores super-poderes, ainda nem consegue respirar direito...



Bernardo como grande "drama prince", teve seus momentos insanos...



Desenvolveu uma técnica para quando tem dor de barriga e precisa sair correndo pro banheiro: ele senta e ao invés de fazer massagem na barriga como alguns, ele bate na própria cabeça "para o cocô sair mais rápido"...



Ele sai pela casa cheirando várias coisas diferentes: a mesa, o interruptor, a cortina, a maçaneta, para descobrir o que "dá alergia e espirro" nele...



Ele diz que a pasta de dente de adulto "arde muito a boca e devora tudo por dentro"...


Ele sente muito não poder fazer os exercícios dele (oi?), que ele próprio afirma serem muito importantes "para a saúde" e para "eSmagrecer a barriga"...


Ele ri de mim quando conto que quando era criança tomava injeção quase toda semana por causa das alergias...



Uma figura: impagável e cansativa...


E assim foi comemorada, aqui em casa, a semana da enfermagem...


Beijos,


Florence Nightingale and the Machine






quinta-feira, 5 de maio de 2011

Sobrevivi ao final feliz



Semana Passada aconteceu o casamento do século...


O século começou agora, e este casamento real já foi entitulado como o mais maravilhoso, o mais incrível, o mais lindo, etc, e tal...


Soa estranho pra quem acompanhou outro casamento real, o de Charles e Diana, com 7 anos de idade, achando tudo muito estranho, porque aqueles noivos não pareciam felizes ou animados com aquela pompa toda...


Soa estranho pra quem acompanhou naquela mesma Abadia o funeral da mãe do atual noivo real, em 97, quando todos se indignaram com o papel dos tablóides e dos papparazzi, para agora repetir toda a parafernália midiática novamente (elevado a potência máxima por conta da rapidez da informação)...



Só se falava nisso porque Tvs, jornais, internet, vitrines de lojas, todos os locais da face da terra estavam com imagens do casal ou coisas que remetiam a esse universo...



Claro que na véspera Bernardo me perguntou o que era o casamento real, e eu falei que era um príncipe da Inglaterra casando com uma princesa... liguei a TV e claro, lá estavam eles... em qualquer canal...



Bernardo não entendeu muito, e começou o festival de perguntas...


"-Mãe, ela é princesa de verdade?

-Não, filho, princesa de verdade é a Fiona"


"-Mãe, cadê as outras princesas?

-Filho elas vão entrar na Igreja na hora em que o casamento começar...

- Todas elas foram convidadas?

- Sim...

- A Ariel vai de sereia?"


O locutor fala sobre uma 'rainha"...


"- Mãe, a rainha é mãe da princesa?

- não, filho, é avó do príncipe...

- e ela é má?"


"- Mãe, cadê a mãe da princesa?

- não sei, filho...

- ela é uma madrasta má?"


"- Mãe porque tem cavalo no meio dessas pessoas?

-porque eles puxam as carruagens...

-Por que eles vão de carruagem se lá tem carro?

-porque é a tradição...

- Por que eles tem carruagem se não é rei de verdade?"


"- Mãe, cadê o Edmundo?

- filho (respondo tentando tirar da cabeça o Animal), porque não receberam convite lá em Nárnia"


Foram algumas horas de crise.... até que o pai chegou e eles foram ver as fotos de meu casamento, de onde sairam outros mil questionamentos...


Acho que falar mal da realeza britânica é uma coisa tão 1780, que nem vou filosofar... claro que dá pra gente pensar muito nos mitos que nos cercam, na nossa fixação por princesas, heróis e reinos "tão tão distantes", e como isso está presente no nosso mundo...


Mas também não dá pra pular de alegria com todo esse frisson sem pensar em como a gente foi massacrado pelas imagens dos noivos e seu final feliz, que na verdade é o começo de muito trabalho sem nada de "realeza", com uma "realidade" bem difícil...


Quando acordei no dia do casamento, liguei a Tv e Bernardo chiou:


"-Aaaaaaaaaaah, não, nada de casamento de novo...

- mas filho, o casamento é hoje, ontem era só a preparação..

- mãe, todo casamento é igual, tira isso e bota no Disney Channel..."


Sem discutir, coloquei no desenho, me vesti e saí pra trabalhar, deixando Bernardo vendo Ariel na TV... cada um com sua "realidade irreal" nas mãos...


Saudações reais,


Princesa Leia

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Me and Julio down by the schoolyard




Um telefonema muda tudo: hoje de manhã a escola do Bernardo me liga pra dizer que não vai ter aula porque estourou um transformador por causa das chuvas...


e lá vamos nós, vida de mãe é virar de cabeça pra baixo só por diversão, mesmo sem gostar de looping...


Depois de uma noite de enxaqueca tenebrosa me refaço, porque o dia vai ser de emoções... voltamos ao assunto cachorro-quente: ontem debatemos o porquê Bernardo diz não gostar do sanduiche se adora macarrão com salsicha, e a resposta é simples: ele acha que cachorro-quente é feito de cachorro, porque senão "não tinha esse nome, né, mãe?"...



Mais uma vez tento convencê-lo de que é a mesma salsicha, mas ele continua muito firme no propósito de achar que "não tem nada a ver"...


ele reclama que não vai ver os amigos hoje, pergunta se já chegou o final de semana, não aceita minhas explicações de que estamos apenas na quarta-feira e fica emburrado até começar "Meu Amigãozão", que hoje vai ser saboreado com gosto: ele vai assistir os 2 episódios "inteirizinhos" porque não tem escola...



Nunca imaginei que uma criança de quatro anos pudesse desconectar as sinapses de seu cérebro apenas com ondas sonoras de perguntas e questionamentos infinitos...



Minha irmã perguntou se eu queria assistir ao teatro do Cocoricó... falei que não, afinal já havia vendido as jóias da família ao comprar os ingressos pro Disney on ice... e além disso, preciso confessar uma coisa do fundo desse coração de mãe (beijo, Vicente Celestino): eu não aguento mais o Julio....



Sabe o Julio, amigo do Alípio, do Astolfo, da galinhada toda?


Pois é... não é preconceito ou "brulin", só porque ele é meio espinhento... é mesmo desgaste da relação...


Houve um tempo em que Bernardo assistia ao DVD do Cocoricó como se o mundo fosse acabar antes do casamento real... era Cocoricó o dia inteiro, mas eu achava ótimo porque era o que acalmava meu filhote de 1 ano em crise existencial... mesmo quando eu era "Team Julio" eu achava a voz dele irritante...


Só de pensar nos primeiros acordes de "Chuva, Chuvisco, Chuvarada" meu coração estremece... e "Piquenique no Quintal" é muito mais detonadora de surto esquizóide que "Sonhos" do Peninha...

Ou seja, nada de teatro do Cocoricó, até porque trabalhei esse meu sentimento e perguntei pro meu filho se ele queria ver o Julio, e ele disse que não... (UFA, quero dizer, que pena...)



Nesse meio tempo a chuva passou, passei com meu filhote canino que chegou em casa cheio de lama e foi encaminhado direto pro chuveiro... imaginem que relaxante dar um banho num labrador no box com direito a Bernardo fotografando (novo hobby dele)...



Nosso dia de folga está chegando ao fim... enquanto escrevo Bernardo brinca com o Homem de Ferro aqui do meu lado... daqui a pouco Papai chega e eu pretendo respirar um pouco (ou não)...



Bernardo está feliz porque viu no espelho que cresceu muito...



Eu estou com um band-aid no dedo porque num surto bipolar cosmético decidi que minhas cores de esmalte estavam "chatas" e misturei várias, até que um vidro estourou...



Ou seja, um dia cansativo e engraçado, marcando o fim da Era Julio.


Beijos,



Paul Simon